Jornada Mundial da Juventude 2016, um evento marcante, emocionante e inesquecível! #final

Jornada Mundial da Juventude 2016, um evento marcante, emocionante e inesquecível! #final

0
COMPARTILHAR

Últimos dias em Cracóvia…

No sábado bem cedinho tomamos nosso café, arrumamos nosso quarto, pegamos todas nossas coisas e fomos para igreja pedir algumas informações sobre o trânsito em Cracóvia.

Chegando à igreja tivemos uma ótima notícia! A mala do Paulo que havia sido extraviada tinha chegado!! Ufa, Graças a Deus, no nosso último dia em Gdów, que providência ótima. Agora todos estavam com as bagagens completas, e a nossa ideia era ir até Cracóvia, deixar nossas mochilas grandes no hotel em que as três voluntárias da Santa Rita estavam hospedadas e de lá partir para peregrinação até o Campus Misericordiae, em Wieliczka. Mas para nossa surpresa o trânsito em Cracóvia estava bloqueado, não conseguiríamos entrar na cidade para deixar nossas malas :/ e fazer a peregrinação com todo o peso (em torno de 15 kg) nas costas seria muito difícil para todos.

Eu com algumas malas ainda no aeroporto, mas pra vocês verem mais ou menos o tamanho de cada uma
Eu com algumas malas ainda no aeroporto, mas pra vocês verem mais ou menos o tamanho de cada uma

Ficamos perdidos por alguns momentos, sem saber o que fazer. Mas eis que uma luz surgiu. Lembram-se de Dorotta que nos ajudou na sexta no Blonia? Então, lembramos da conversa com ela no dia anterior, Dorotta disse que morava em Wieliczka e que qualquer coisa que precisássemos poderia ligar para ela. E foi o que fizemos, não víamos outra solução. Ligamos para Dorotta e explicamos a situação das nossas mochilas para peregrinação e ela, com toda prontidão disse que poderíamos deixar nossas mochilas lá antes da peregrinação e pegar no domingo após a missa de envio, isso para gente foi um alívio e uma grande bênção.

Em Gdów pegamos o transporte que eles ofereceram até o local de partida da peregrinação, e combinamos de encontrar com Dorotta e o marido lá para eles pegarem nossas mochilas e levarem para casa deles. Que grande ajuda eles nos deram,  como retribuição entregamos uma imagem de Nossa Senhora Aparecida, padroeira do Brasil, que levamos daqui, eles ficaram muito felizes com o presente, foi o mínimo que pudemos fazer por essa grande ajuda!

Depois de nossas mochilas grandes irem para casa de Dorotta, começamos nossa peregrinação, foram 13 km debaixo de um sol bem forte, andamos em asfalto, pedras, terra, matos… um caminho bem difícil, mas que pudemos ver o amor de Deus presente a cada momento, Ele nos fortalecia a cada passo. Rezamos durante o trajeto, cantamos, descansamos, reabastecemos nossas garrafas d’água, pegamos nosso kit para vigília do final de semana, vimos centenas de jovens que também estavam fazendo o mesmo caminho que o nosso com as mesmas dificuldades, mas o mais importante, todos estavam felizes e cheio de fé.

Nosso grupo com Dorotta e o marido logos após eles pegarem nossas mochilas :)
Nosso grupo com Dorotta e o marido logo após eles pegarem nossas mochilas 🙂

E quando estávamos na reta final do nosso trajeto, já em Wieliczka passamos por algumas casas e pudemos ver o amor das pessoas que nos viam passando, elas com a mesma compaixão e misericórdia de Deus nos ofereciam água, frutas, comidas e algumas jogavam água com mangueira para nos refrescar, isso foi a melhor coisa, rs que delícia! O sol estava bem forte, tínhamos que renovar o protetor solar a cada 10 minutos praticamente, rs

Durante a peregrinação até o Campus Misericordiae
Durante a peregrinação até o Campus Misericordiae

Finalmente chegamos no Misericordiae, nosso setor foi o F, e não tivemos a mesma sorte que no Blonia de ficarmos próximo ao palco/altar, dessa vez estávamos bem longe, para conseguir ver o altar só pelo telão que tinha próximo ao nosso setor. Mas isso não foi um empecilho para nos desanimar. Conseguimos participar da Vigília com o Papa Francisco perfeitamente.

E foi mais um evento lindo com o Papa, tivemos um momento de adoração ao Santíssimo e depois mais uma rica homilia do Santo Padre com palavras marcantes, como estas: “não viemos ao mundo para ‘vegetar’, para transcorrer comodamente os dias, para fazer da vida um sofá que nos adormeça; pelo contrário, viemos com outra finalidade, para deixar uma marca. É muito triste passar pela vida sem deixar uma marca. Mas, quando escolhemos a comodidade, confundindo felicidade com consumo, então o preço que pagamos é muito, mas muito caro: perdemos a liberdade”. Então, que possamos ser jovens ativos, e como ele mesmo nos pede uma igreja viva, em saída!

Após o encerramento da Vigília comemos algumas coisas que vieram no kit e depois ajeitamos nossas coisas para dormir. Foi uma noite tranquila, fizemos um revezamento por dupla durante a madrugada para vigiarem nossas coisas enquanto os demais dormiam.

Kit peregrino da Vigília

Logo pela manhã tomamos o café com as coisas que sobraram do kit e ficamos no aguardo da missa de envio do Papa Francisco. E para nossa surpresa começou um pouco antes, estava previsto o início às 10h da manhã, mas umas 9:30h já estava começando.

E mais uma vez foi uma celebração abençoada, o Campus inteiro estava em silêncio e em oração, foi lindo este momento.  Papa Francisco nos pede mais uma vez para sermos jovens diferentes, jovens em movimento, que não dão importância às coisas materiais e sim ao amor d’Ele, “Deus conta contigo por aquilo que és, não pelo que tens: a seus olhos, não vale mesmo nada a roupa que vestes ou o telemóvel que usas; não Lhe importa se andas na moda ou não, importas-Lhe tu. A seus olhos, tu vales; e o teu valor é inestimável”.

Ouvir tanta coisa linda deste Santo Padre foi enriquecedor e maravilhoso, saímos de lá ainda mais extasiados, cheios de fé e com a esperança de um mundo melhor.

Antes da bênção final Papa Francisco fez o anúncio do próximo país que irá receber a JMJ, será no Panamá em 2019!

Com o término da missa de envio encerrava oficialmente a JMJ 2016. Mas ainda tínhamos que voltar para pegar nossas mochilas e ir para Cracóvia. E como todos os outros dias a nossa volta foi mais uma vez turbulenta, rs

Nosso grupo após a missa de envio com Papa Francisco
Nosso grupo após a missa de envio da JMJ

Saímos do Campus Misericordiae e peregrinamos os 13 km novamente até a casa de Dorotta, debaixo de um sol muito forte, mas que de repente caiu uma chuva muito forte, que nos fez parar e colocar nossa capa, mesmo com a capa ficamos inteirinhos molhados, foi bom para refrescar, mas logo o sol forte apareceu novamente. E como na ida, vários moradores estavam nos portões de suas casas oferecendo água, comidas e mangueiras de água, que mais uma vez foi refrescante, hehe

Chegamos na casa de Dorotta, alguns foram ao banheiro, eles nos ofereceram água e frutas também, pegamos nossas malas e precisávamos ir para estação de trem para seguir até Cracóvia. Como não sabíamos chegar até a estação a filha de Dorotta nos acompanhou até lá. Que família abençoada, foram realmente uns anjos em nossa jornada!

As ruas de Wieliczka estavam lotadas de peregrinos, todos em busca de uma condução de volta para Cracóvia. Chegamos à estação de trem e deparamos com uma multidão, não conseguimos nem sequer chegar próximo à plataforma de embarque.

A outra opção seria pegarmos um ônibus, mas só tinha uma linha fazendo o caminho Wieliczka-Cracóvia, e os ônibus estavam saindo lotados! E a chuva voltou, e estávamos com um monte de bagagem, corremos para debaixo de uma cobertura de um restaurante próximo à estação.
Lá nos reunimos e conversamos sobre as opções que teríamos para voltar a Cracóvia a tempo de pegar nosso ônibus para Berlim que sairia por volta das 22h. Primeiramente descartamos a possibilidade de voltar de trem e de ônibus, estavam muito lotados, seria quase missão impossível todos do nosso grupo conseguir entrar em um dos dois juntos com a quantidade de bagagem que estávamos. As opções seriam tentar pegar um táxi ou alugar uma van para nosso grupo.

Achamos um táxi próximo ao restaurante e perguntamos se nos levaria até Cracóvia, mas sem sucesso, o trânsito em Cracóvia ainda estava bloqueado por conta da passagem do Papa pelo centro, só voltaria ao normal após às 18h. Estávamos perdidos e realmente com muito medo de perder nosso ônibus para Berlim e consequentemente nosso voo de volta.

Logo a frente do restaurante tinha uma subprefeitura de Wieliczka e direto estavam parando vans, resolvemos ir até lá perguntar se alguma poderia nos levar até Cracóvia.

Conversamos com a subprefeita, explicamos toda nossa situação e desespero para conseguir voltar a Cracóvia a tempo. Ela pediu para todos do nosso grupo aguardar em uma sala do local que ela iria ver o que poderia fazer para nos ajudar.

Todos foram para lá, e a subprefeitura estava lotada de peregrinos, foi o local de refúgio e descanso para muitos até conseguir um transporte de volta para Cracóvia.

Nosso tempo estava ficando curto, tentamos até entrar em contato com a empresa do nosso voo para reagendar, mas não conseguimos. Após algum tempo de espera a subprefeita finalmente nos deu uma boa notícia, uma van deles nos levaria até Cracóvia, nos deixaria próximo a uma estação de bonde próxima a entrada da cidade para de lá chegarmos até a estação Krakowska para pegar nosso ônibus até Berlim.

Foi corrido, mas conseguimos. Uma tradutora da subprefeitura de Wieliczka nos acompanhou até Cracóvia e nos mostrou o bonde que tínhamos que pegar até Krakowska. Mais dois anjos em nosso caminho, a subprefeita e a tradutora, acredito que sem a ajuda delas não conseguiríamos chegar a tempo de pegar o nosso ônibus de volta.

Graças a Deus chegamos a rodoviária, ufa! Só tivemos tempo para comprarmos um lanche, pois estávamos morrendo de fome e nosso ônibus chegou. Taylle ficou mais um tempo na rodoviária, pois seguiria de volta para Irlanda logo mais. Nos despedimos ali e entramos no ônibus.
A viagem até Berlim foi só de descanso, entramos no ônibus e apagamos.

De Berlim seguimos para Roma, e lá tivemos que esperamos em torno de 5 horas para nosso voo de embarque para o Brasil.

Chegamos ao Brasil por volta das 6 horas da manhã do dia 2 de agosto. De Guarulhos seguimos para Bauru, essa volta foi de recordações de todos os momentos que vivenciamos lá, de tantos desafios que vencemos com fé, tantas risadas e momentos bons que vivenciados e de todas as palavras lindas que pudemos ouvir do Papa Francisco.

Em Bauru descemos na nossa Paróquia, São Cristóvão, por volta das 11 horas. Alguns pais estavam para nos receber, e fomos direto para igreja para agradecer esse grande sonho que pudemos viver. São Cristóvão guiou todos os nossos passos, foi uma JMJ iluminada! Só temos a agradecer a todos que nos ajudaram de alguma forma, só obrigado é o que temos a dizer.

Nosso grupo na chegada ao Brasil na igreja de São Cristóvão para o agradecimento
Nosso grupo na chegada ao Brasil na igreja de São Cristóvão para o agradecimento

Para finalizar a nossa Jornada abençoada, à noite participamos da missa da Capela Nossa Senhora do Carmo que pertence a São Cristóvão. E lá tivemos mais surpresas, surpresas maravilhosas, nosso grupo de Jovens preparou cartazes de boas-vindas para nós, nossos pais e amigos estavam presentes e após a missa pudemos confraternizar com bolo e pasteis e partilhas da nossa experiência. Foi tudo muito lindo.

14 peregrinos de Bauru com Padre Ricci na confraternização após a missa na Capela Nossa Senhora do Carmo
14 peregrinos de Bauru com Padre Ricci na confraternização na Capela Nossa Senhora do Carmo

Obrigada mais uma vez a todos que de alguma forma nos ajudaram na conquista desse sonho. Foi muito especial para todos nós. Que Deus abençoe a cada um.

E para quem acompanhou nossa história aqui no Blog agradeço muito. E não deixem de acompanhar o Papos de Banheiro 😉 Até mais.

#JMJ2016 #Cracóvia2016 #PartiuPanamá2019

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA