Vamos falar de dinheiro? Previdência privada

Vamos falar de dinheiro? Previdência privada

66 views
5
SHARE

Pensei muito até decidir escrever sobre o assunto! Não porque eu não acredite no que esteja falando (muito pelo contrário). Mas pelo motivo de eu achar que, o que você quer fazer com seu dinheiro, ser tão pessoal!

É que eu fiquei tão intrigada com o texto que me fez querer escrever esse post, que me senti na obrigação de perder o medinho e vir compartilhar com vocês!

Investimento-financeiro-2

 

Bom. Desde que eu me entendo por trabalhadora e ganhadora do próprio dindin eu escuto o conselho: “se você quer uma aposentadoria mais tranquila, faça uma previdência privada!”. Ok! Sempre fui uma doida consumista e gastadora master que nunca teve dinheiro ‘malemá’ pra poupança quiçá, outro investimento. Rsrs.

Só que esse ano, thank God, consegui finalmente começar a poupar. Culpa do ano de 2013 onde tive que parar com os meus gastos e daí com isso, acho que aprendi um pouco a ser uma consumidora mais consciente! Obrigada Denize!

Então foi quando pensei na hipótese de começar a fazer a previdência privada! Afinal, quem não quer uma velhice mais tranquila né? Eu imagino a minha sentada numa super moto e viajando por aí a fora! hahaha.

 

Decisão quase feita. O que a gente faz? Consulta o sr. Google! E daí que entre muitos textos explicando o que é VGBL, PGBL e talz, eis que eu me deparo com um texto (autor Leandro Ávila) que trazia 8 motivos para NÃO investir em previdência privada! Exato. Para não investir!!

Aqui estão eles:

  1. Previdência privada é poupança forçada que engessa seu patrimônio tirando sua liberdade de gerir seu próprio dinheiro ao longo do tempo.
  2. Previdência privada tem baixíssima rentabilidade graças a cobrança de elevadas taxas de carregamento e taxas administrativas absurdamente altas. Existem planos com taxa administrativa de 3% ao ano e taxa de carregamento de 10% para pequenas aplicações mensais. As perdas são enormes para quem faz pequenos aportes mensais por décadas. Somente grandes fortunas pagam taxas menores. Só que donos de grandes fortunas não precisam de previdência privada.
  3. Recentemente avaliei os resultados de 78 planos de previdência diferentes da seguradora de um dos maiores bancos privados do país. Somente 3 planos ganharam da Caderneta de Poupança nos últimos 12 meses. 31 deles tiveram rentabilidade negativa. As pessoas literalmente pagaram para perder dinheiro. Se tivessem guardado embaixo do colchão teria sido mais vantajoso. Nenhum plano superou o CDB e títulos públicos mesmo com taxa Selic baixa nos últimos 12 meses. Os resultados nos últimos 36 meses também foram péssimos. Com o atual cenário econômico o que garante boa rentabilidade nos próximos anos? Baixe a tabela de rentabilidade dos planos de previdência aberta das maiores instituições e compare com a renda fixa. Quem aprende a gerenciar o próprio dinheiro tem a liberdade de escolher os melhores investimentos mesmo em tempos de crise.
  4. Previdência não está livre de riscos. Se para aplicações em CDB, poupança, fundos de Investimento, operações compromissadas, letras de câmbio, letras hipotecárias, letras imobiliárias e letras de crédito imobiliário você tem a proteção do Fundo Garantidor (R$ 250.000,00 por CPF, por instituição), na previdência privada não existe este tipo de garantia. Se a seguradora quebra você perde seu dinheiro ou precisa esperar decisões da justiça. As entidades que fiscalizam bancos e seguradoras são muito úteis e eficientes mas isto não impede falências. Ninguém melhor que o criador do plano de previdência PGBL para falar dos riscos (Leia entrevista). Veja opinião de entidades de defesa do consumidor (leia aqui).
  5. Previdência e liquidez. Existem planos com carência e penalidades para quem precisa sacar parte ou a totalidade do que foi investido. Existem casos onde o imposto de renda cobrado é de 35%. Muita gente possui a previdência privada como única forma de poupança. Você só vai sentir no bolso o que significa não ter liquidez quando ocorrer algum problema urgente na sua família como uma doença ou acidente. Antecipar o saque do seu próprio dinheiro pode significar um enorme prejuízo se ele estiver em um plano de previdência.
  6. Algumas instituições, quando vendem planos de previdência fazem projeções maravilhosas e extremamente otimistas. Muitas vezes desconsideram o impacto da inflação e projetam taxas de juros utópicas para impressionar o cliente desprovido de informação e conhecimento. A falta de transparência de algumas empresas é proposital com objetivo de aumentar as vendas mesmo que isto gere expectativas distorcidas no consumidor. A matemática financeira que você precisa compreender para questionar as simulações das empresas não é fácil de entender para a maioria da população. E isto cria uma situação de desvantagem entre quem vende o plano e quem compra.
  7. O benefício fiscal, para quem possui previdência PGBL, serve apenas para quem faz declaração completa do imposto de renda durante  toda vida. Se hoje é vantajoso fazer a declaração completa amanhã pode não ser. Existem pessoas que fazem o PGBL sem entender claramente o que estão fazendo. Já vi gente que confunde benefício fiscal com isenção fiscal. As pessoas não percebem que no decorrer de décadas nem sempre será vantajoso fazer a declaração completa. Se hoje PGBL é uma boa opção pode ser que amanhã a VGBL seja melhor. E não existe portabilidade que permita migrar um PGBL para VGBL ou vice-versa. Quando você faz uma previdência PGBL está apenas fazendo um adiamento do pagamento do IR e não se isentando dele como muita gente acredita. Quem fizer um PGBL e usar a declaração simples (muita gente faz isso sem perceber) vai pagar o imposto duas vezes. Isso porque a alíquota de IR que você pagará no futuro incide sobre todo o montante acumulado no PGBL e não só nos rendimentos como ocorre VGBL ou em qualquer investimento de renda fixa tributado.
  8. O plano de previdência com determinadas características pode oferecer boa rentabilidade hoje e uma rentabilidade péssima no futuro e estes ciclos podem se alternar várias vezes porque a cenário econômico está sempre mudando. Muita gente faz o plano olhando apenas a rentabilidade passada. A rentabilidade passada não é garantia de rentabilidade futura. Sim. Existe a portabilidade. Mas será que as pessoas realmente fazem portabilidade? Muitas nem sabem que existe esta opção. Tendo controle sobre seu dinheiro você pode movimenta-lo para o melhor investimento dependendo do cenário. Pode diversificar seus investimentos para diluir riscos. Quando as tendências mudam você também muda e realoca seus ativos para a configuração mais vantajosa. Muitos fazem previdência privada e esquecem o dinheiro lá e isto é um erro grave.

Bônus: Quem escolhe receber o benefício através de “renda vitalícia” nem sempre sabe que no caso de morte o dinheiro fica para a seguradora. Ele passa a fazer parte da reserva técnica da seguradora. A sua família perde o dinheiro que você demorou tanto tempo para acumular. O ideal é sacar o saldo ou optar pela “Renda por período determinado”.

 

Gente, para mim fez todo o sentido. E daí que descendo e lendo os comentários do pessoal (link do texto aqui), eu vi muita gente falando que tinha investido em previdência e depois de um tempinho fez os cálculos e viu que o rendimento tinha sido negativo! Fiquei chocada!

Com tudo isso, resolvi postergar a decisão de investir na previdência. Continuarei com minha poupança até decidir onde investir ( lendo agora sobre tesouro direto! rsrs.)

 

Por favor entendam: não estou aqui querendo que vocês não invistam nisso ou naquilo. O dinheiro é de cada um e cada um decide o que fazer com ele! Eu só achei que era importante que vocês também soubessem dos tais 8 motivos!

Eu mesma, ainda não decidi o que vou fazer com meu rico dinheirinho (o dó! rs.). Só que, o que eu pude sentir com esse texto (e mais alguns outros que li depois sobre o mesmo assunto) é que, precisamos primeiro dar uma estudada real sobre o assunto finanças antes de tomar qualquer decisão.

Acho que os banqueiros já estão bem ricos para darmos ainda mais dinheiro pra eles né? Que esse dinheiro fique para nós mesmas!

 

E vocês? Já tinha lido algo nesse sentido? Vocês tem alguma dica ou conselho para nos dar?

Qualquer dica ou esclarecimento é muito bem vindo!

 

Desculpem-me o post loooongo! Mas como disse, achei importante!

 

Um super beijo, e até o próximo post.

5 COMMENTS

  1. Oi…preocupada……achei que era as melhores coisas que fiz no ano passado….CDB e previdência privada….sim eu fiz os dois….kkk…realmente a primeiro plano a previdencia parece pouco vantajosa ….mas a longo prazo parece uma boa….foi assim que enxerguei…..mas de qualquer forma foi otimo porque só assim pra eu ter um dinheirinho bem pequenino pra chamar de MEU…..kkkkkbj

    • Ain.. é complicado esse assunto menina! rs.
      Pq nas minhas leituras eu li (e acho que seria de se imaginar) o que é rentável hj, pode não ser mais amanhã. E as vezes, o pior investimento hj, é que gerará lucros e lucros depois!

      Mundinho instável esse! rs.
      Então não fique preocupada… só acompanhe.. veja quanto já rendeu de tempos em tempos e acho q não tem como errar.
      Além do mais, vc fez o que eu li em quase todos os textos (tanto os favoráveis à previdência quanto os descrentes): não invista em uma coisa só!
      Sucesso!! $.$
      Rsrs.

      Bjoo!

  2. Fabiiiii,

    Como ~quase-esposa~ de um bancário preciso te dizer: não são os pobres coitados que tão ricos não. São os banqueiros. =]

    Hhehehae

    Enfim, com meus 3.0 preciso urgentemente começar a poupar. Previdência eu já tinha desistido mesmo. Mas nem poupança eu consigo. Oh God!

    Bjus

    • Nossa Marii! Sorry… escrevi bancários pensando em banqueiros. Achei q tava certa! =X Já vou corrigir o post!

      Mas enfim.. o 3.0 chegando começa a mudar a gente não?! rsrs.
      A previdência eu to meio assim ainda.. mas a poupança, já consegui começar! To no segundo mês pelo menos! hahaha

      Beijo!

LEAVE A REPLY